O que ouvir nos serviços de Streaming?

 

Unknown-3.jpeg

Uma das melhores coisas desse mundo de consumo virtual são as soluções de streaming de música. Mas as vezes é difícil encontrar o que ouvir de novo nessas ferramentas!

O que havia começado timidamente com o Itunes, com a Apple vendendo músicas por faixa, passando pelos gloriosos tempos corsários do Napster, se solidificou com o Spotify e a Deezer. Até a Apple entrou na dança e lançou seu serviço de streaming por assinatura.

Hoje, por uma quantia menor do que o preço de um CD por mês, você tem acesso a praticamente toda a discoteca mundial, de maneira legal e segura.

Algumas gravadoras e artistas ainda resistem, não colocando seus acervos nos serviços. Porem, sinto lhes dizer que é um caminho sem volta. Até os Beatles já entraram no catálogo e, com tanta coisa para ouvir, quem não está nestes acervos periga é cair no esquecimento.

Sim, porque cada vez mais se ouve menos música pelos meios tradicionais. Rádio? Só no carro, e olhe lá. E, mesmo assim, em corrida curta, quando esquecemos de ligar o bluetooth.

Eu não sei quanto a vocês, mas a minha maior dificuldade com esse novo mundo é  aproveitar essa imensa liberdade para ouvir coisas novas. Sair da força do habito de ouvir repetidamente os mesmos 10 discos de que gosto mais.

Os serviços possuem bons serviços de curadoria. Eu não tenho assinatura do Spotify, mas tanto o Deezer quanto a Apple Music geram playlists das mais variadas, seja por gênero musical ou por qualquer outro recorte doido que eles possam imaginar.

Por exemplo, abro agora a Apple Music e vejo isso:

Captura de Tela 2016-11-24 às 17.18.58.png

Eles sabem que eu gosto de Beatles, de música clássica, de rock dos anos 60 e 70… E indicam playlists que eu vou gostar.

Isso é legal, mas me mantém na zona de conforto. Como ouvir algo novo? E, como evitar perder tempo com roubadas?

capamorrisey.jpg

Na minha época de garoto, eu adorava a Revista Bizz. Foi um marco no Brasil, na minha opinião. Era uma revista de Pop e Rock muito bem feita. Os artigos não eram superficiais. Existia uma seção chamada “Discoteca Básica”, onde eles resenhavam um disco clássico a cada número. Conheci diversos artistas e  bandas tradicionais a partir dessas resenhas.  (o link vai te levar a transcrição da resenha de Pérola Negra, do Luiz Melodia).

Hoje a Bizz não existe mais. O que fazer?

E aqui vai a sugestão do Blog: o site AllMusic.com!

Os caras simplesmente catalogam e revisam conteúdo sobre praticamente TUDO que se lança de música. De TODOS OS ESTILOS. E eles “curam”o material. Recomendam lançamentos. E, não, eles não são uma loja. Tem os imprescindíveis links para a amazon, claro! Mas passam a impressão de ser bastante independentes.

Recomendo especialmente as seções “Featured New Releases” e “Editor’s Choices”. Você vai descobrir que a produção musical não está estagnada como parece. Milhares de artistas e bandas lançam músicas novas todos os dias, coisa que não é reciclada.

O difícil agora é ter tempo para ouvir tudo que interessa!

Captura de Tela 2016-11-24 às 17.41.43.png

 

E vocês? Como fazem para buscar o que ouvir? Que sites pesquisam? Do que gostam? Compartilhem suas dicas conosco!

 

 

 

 

 

 

Podcasts!

podcast_studio

Antes de mais nada, convém explicar: o que é um podcast?

Podcast basicamente, é um “programa de rádio” feito de forma seriada, para ser baixado e consumido sob demanda.

Existem podcasts de todos os assuntos e formatos que você conseguir imaginar. A duração e a qualidade da edição também variam muito.

Para quem não sabe, eu participo de um Podcast sobre futebol americano, chamado Fumblecast.

A melhor forma de definir o nosso programa é que nós somos uma espécie de “Pop Bola” da NFL. Nosso principal foco é sempre destacar as “galhofas”, isso é, os acontecimentos inusitados que envolvem os times e os jogadores da NFL. Acreditem, nunca falta assunto!

Eu não criei o programa, eu o descobri como ouvinte, comecei a participar através dos canais de iteração e hoje sou um dos apresentadores do programa, além de ser o “curador” do material que criamos para facebook!

Mas, além de aproveitar para fazer um jabá do meu produto, eu fiz esse post para sugerir a vocês uma lista de Podcasts para que vocês comecem a explorar esse mundo!

Nerdcast – Esse é provavelmente o mais bem-sucedido podcast do Brasil. Os episódios possuem mais de um milhão de downloads cada! Segundo o site deles “Os assuntos são história, ciência, cinema, quadrinhos, literatura, tecnologia, games, RPG… Tudo que um nerd gosta! A conversa é informal, divertida, escrachada e tão doida quanto séria. Quer dizer, tão séria quanto doida!”. O programa é muito bem produzido e, além dos hosts Alexandre Ottoni (Jovem Nerd) e Deive Pazos (Azagahl), possuem convidados variados, dependendo do assunto da semana. É o ponto de partida para quem quer começar a ouvir podcasts em português.

10 Jardas – Nosso principal concorrente no potente mercado de podcasts de futebol americano! Na, verdade, o 10 jardas está muito na nossa frente. Alem do podcast, eles são na verdade um portal especializado em futebol americano, com notícias e muito conteúdo próprio sobre o assunto. Liderado pelo JP (que, é um dos participantes do Nerdcast – esse mundo ainda é bem pequeno), é basicamente imbatível em termos de “resenha séria” sobre futebol americano.

  • Dan Carlin´s Hardcore History – Um podcast sobre história universal MUITO bem pesquisado. Os episódios não são frequentes, mas são bem longos (3 horas em média). E são feitos em séries. Recomendo todos os episódios sobre a Primeira Guerra Mundial “Blueprint for Armageddon”. É tudo em inglês, mas dá pra entender bem. Parte do conteúdo é paga, mas tem muita coisa grátis para ouvir antes de se arriscar a gastar dinheiro! O autor tem um podcast sobre política, mas eu ainda não ouvi, então não vou recomendar.
  • A History of the World in 100 objects – Esse na verdade é mais uma série do que um podcast. Neil Mac Gregor, diretor do British Museum, nos conduz pela história do mundo através da explicação de 100 artefatos do museu, partindo desde a idade da pedra até os dias atuais. O projeto incluiu, além dos programas de rádio (veiculados pela BBC na época), um site e um livro (que foi lançado no Brasil, clique aqui para o link da Amazon). Os episódios são curtos (15 minutos) e muito bem produzidos.
  • The Goldrush Brasil – Mais um de futebol americano, esse fala especificamente do meu time, o San Francisco 49ers, que vive atualmente uma das maiores dragas de sua história. O programa é produzido por dois amigos que participam eventualmente do Fumblecast, Thiago Murta e Jaílson Carvalho. Eu inclusive já participei de um dos episódios. Estou esperando o time ganhar uma para aparecer de novo, mas está difícil!
  • Espero que gostem!
  • E, para quem já conhecia, quais podcasts vocês me sugerem para ouvir?

Leia!

Depois de começar esse blog com uma série de artigos meio pesados sobre política e o que vem acontecendo no Rio de Janeiro (também, pudera, não estamos vivendo tempos fáceis), vamos dar uma animada nisso aqui. Afinal, eu me comprometi em comentar sobre TUDO!

Bem, estou começando a explorar os blogs do WordPress, e procurando blogs sobre livros, encontrei um bem legal, Read & Survive – How to Read Books, publicado por Anastasia, uma finlandesa de 22 anos.

O Blog é muito bem produzido, com algumas artes invejáveis, como essa que vou “roubartilhar” com vocês!

É interessante ver que a maioria das personalidades que ela cita possuem hábitos de leitura bastante ecléticos. Com certeza, ler de tudo nos torna mais fácil fazer conexões entre assuntos distintos e com isso resolver problemas de forma criativa.

Leia! Leia sempre! Leia muito!

Reading-habits-that-lead-to-success-full-infographic-840x7634.jpg

NFL no México!

Unknown.jpeg

E vai começar agora um jogo da NFL no Estádio Azteca, Cidade do México. Houston Texans e Oakland Raiders estão liderando suas respectivas divisões e buscam uma vaga nos playoffs em um Monday Night Football!

Os 85 mil ingressos foram vendidos em MEIA HORA! O futebol americano pode ser difícil de ser replicado como esporte em outros países, dado a dificuldade de executa-lo e os altos riscos da atividade (mesmo no Estados Unidos o esporte está sob ataque constante). Mas, como entretenimento, a NFL é praticamente imbatível.

O cerimonial incluiu o Hino Americano e, lógico, o Hino Mexicano transcorreu sem incidentes, para desespero dos esquerdopatas, que sonhavam transformar o evento em um comício do Partido Democrata. O hino americano foi claramente mais aplaudido do que apupado (e olha que eles são rivais tradicionais na Concacaf).

Eu estive há pouco tempo em Houston e senti na pele como essas duas culturas são interligadas e como não seria fácil separá-las.

A ideia do muro é claramente uma bobagem. Mas ter rigor na imigração e aplicar as leis deveria ser o mínimo que se espera de qualquer governante.

Aliás, falando do muro, convém lembrar que a idéia não foi originária do Presidente Trump. Olha aqui quem fala sobre “criar barreiras físicas, se for necessário”…

Mas, chega de política que o jogo começou! Go Texans!

 

A capacidade de negar o óbvio

Agora vivemos em um país onde helicópteros “caem” por aí. Pelo menos, segundo a imprensa.
Ainda não sei como alguem não colocou a culpa na falta de manutenção dos equipamentos da polícia devido a crise financeira, aproveitando para mostrar a população que precisamos dar mais dinheiro aos nosso combalido estado.

Na boa, já deu. 

Ok, a policia tem sim quer agir com uma ética maior que a dos bandidos. Policial não tem que ser justiceiro. Entrar lá e matar 80 não é a solução. 

Mas nada justifica a negação do óbvio. E todo enfoque na perspectiva “policia oprime os pobres”. 

Será que ninguem na imprensa percebe que os traficantes usam a população como escudo humano? Que eles não são bonzinhos? 

Que, se der mole, esses depoimentos foram escolhidos a dedo para passar apenas um lado da história? E que a “moral da história” é sempre dizer que a polícia é pior do que os bandidos?

Será que a população de lá acha isso mesmo? Porque na 179a. Zona Eleitoral (a que fica na Cidade de Deus), o Crivella ganhou de 60% a 40% (eu fui conferir)!

Nao era de se esperar que o resultado fosse outro se eles se sentissem tão oprimidos pela polícia?

Mas isso ninguem quer investigar.

———-

Atualização: como a própria polícia alega que o Helicóptero não foi alvejado e está fazendo perícia, tenho que livrar a cara da imprensa quanto as manchetes sobre a queda do Helicóptero.

Mas não mudo nada quanto a “narrativa” de “traficantes vítimas da policia violenta”. 

Você sabe que dia foi ontem?

flag

Você por acaso se lembrou que ontem, sábado, 19 de novembro, era o Dia da Bandeira?

Se você não lembrou, não fique envergonhado. Porque você não é o único. Eu também não lembrei. Alias, só me dei conta disso por um post do Gilmar Ferreira, que só apareceu na minha timeline na manhã de hoje!

O Dia da Bandeira serve de exemplo para essa crônica porque foi ontem mas, na verdade, qualquer data comemorativa que não seja feriado não parece ser comemorada aqui no Brasil.

Hoje, por acaso, é o “Dia da Consciência Negra” (pelo menos, acho que é). Até vi alguma coisa sobre o assunto (afinal, existem ONGs que existem com o único objetivo de nos lembrar disso). Mas, repare como o fato de cair no domingo diminui muito a intensidade da militância.

Dia do Índio, Descobrimento do Brasil, Proclamação da Lei Áurea. Alguém que não tenha filho no colégio lembra realmente desses dias?

Acho que Dia de Reis só é lembrado porque temos que desmontar de Natal nesse dia!

Essa forma cínica de lidar com as datas comemorativas (e com praticamente tudo) é uma das características principais do Brasileiro. O que realmente nos importa além do nosso umbigo?

Voltando ao Dia da Bandeira especificamente, eu não sei o que nos faz desvalorizá-lo tanto? Será que foi a desconstrução que anos de infiltração esquerdista na academia fizeram das nossas aulas de moral e cívica? Será que pelo menos um pouco mais disso (moral e civismo) não teria evitado o desastre que acometeu nossa república nos últimos 16 anos?

Se não servir para mais nada, pelo menos temos a oportunidade de lembrar o lindo Hino da Bandeira, de Olavo Bilac:

“Salve o lindo pendão da esperança”…

Sim, um pouco de civismo nos faria muito bem…

 

 

 

Hello World!

This is the post excerpt.

 

 

helloworld

Quando começamos a aprender uma linguagem de programação, invariavelmente o primeiro programa que fazemos é o fatídico “Hello World”. Um programa que nada faz além de enviar uma mensagem a tela do computador.

Me pareceu natural então começar este blog dessa forma!

Deixe-me então me apresentar e explicar o inacreditavelmente pretensioso título deste blog.

Meu nome é Eduardo Vieira. Eu tenho 44 anos, sou analista de sistemas. Me formei em Ciência da Computação na UFF e tenho um mestrado em Administração (Sistemas de Apoio a Decisão) pelo IBMEC-RJ.

Apesar dessa formação fortemente ligada a tecnologia, eu tenho um grande interesse pelas ciências humanas, principalmente história.

Sou absolutamente fascinado por esportes de maneira geral e por futebol americano em particular, a ponto de participar de um podcast sobre o assunto (www.fumblecast.com.br).

A propósito, sou Vascaíno, 49ers, Red Sox e Bulls. Nessa ordem.

Em termos políticos, sou liberal democrata, com algumas tendências conservadoras. Acho que as pessoas tem todo direito a serem o que quiserem e serem respeitadas independente de suas escolhas. Mas elas precisam entender que nem todos vão concordar ou aprova-las. E isso também precisa ser respeitado.

Além disso, gosto muito de cultura em geral (música, cinema, teatro, computadores, livros, videogames).

Como acho que dá pra perceber, eu tenho interesses bastante ecléticos. E a minha “singela” proposta é falar sobre todos eles por aqui.

Daí o nome, “Comentarista de Tudo”.

Porque um Blog? Porque eu já vinha fazendo isso (comentar sobre os assuntos que me interessam) no Facebook. Ao mesmo tempo que recebo ótimos feedbacks (que me motivaram a criar o blog), tenho certeza que irrito muita gente. E, como vivemos tempos muito polarizados, acho que é uma boa separar o local onde coloco minhas opiniões com o lugar onde, como todo mundo, falo de coisas mais prosaicas da minha vida pessoal.

O que pintará por aqui? Além dos meus pitacos sobre política e cultura, repetirei aqui as resenhas de livro que já faço na Amazon.com.br, artigos mais sérios sobre esportes e os já famosos comentários sobre o desfile das escolas de samba e o Rock in Rio!

Então é isso. Espero que vocês gostem e que contribuam com comentários, críticas e qualquer feedback que queiram me dar.