Finais Abertos

Se a vida é como um filme, quem se vai de forma prematura nos deixa um final aberto. Uma espécie de  “Casablanca” humano.

Pois finais felizes agradam, mas são prosaicos. Finais abertos nos fazem refletir. E se tornam inesquecíveis.

Você pode estar no seu melhor momento da vida, com tudo dando certo, como era o caso do elenco da Chapecoense.

Ou, você pode ter câncer novo lutar contra ele uma, duas vezes, vencê-lo com um transplante, mas sofrer com a doença de enxerto e  viver uma provação terrível até que o destino venha lhe buscar, aos 40 e poucos anos, como um amigo meu, André, que nos deixou no início desse mês.

Se essas tragédias servem para alguma coisa, é para nos lembrarmos da fragilidade da condição humana.

Nós temos a capacidade de entender o que nos cerca e avaliar as consequências (e por isso nos preocupamos, mas ao mesmo tempo somos impotentes em relação ao Destino (com D maiúsculo).

Podemos tomar uma série de decisões quotidianas que melhorem nossa vida e, com efeito, elas melhoram. Mas tudo isso pode ser irrelevante se “os Deuses” se voltam contra nós.

A única garantia que temos da vida é que ela vai acabar. O que nos cabe é faze-la valer cada segundo. Que o nosso curto período nesse vale de lágrimas faça diferença para aqueles que o habitam conosco.

A única imortalidade que nos é possível é como vamos ser lembrados por aqueles que amamos.

E o final aberto deixa com que cada um pense não no final, mas no processo que o levou até ali.

Rick e Elza tiveram Paris. Seu amor nunca seria o mesmo depois do que aconteceu. O Chapecoense, teve a campanha memorável que os colocou nesse fatídico voo.

E o André? Bem, cada um que o conheceu tem a sua lembrança. Posso contar a minha.

Eu, ele e o Paulinho, seu irmão, fomos juntos naquele fantástico show do Camisa de Vênus no Morro da Urca, quando tínhamos 17 anos. O primeiro show que fomos sozinhos, sem os pais, justamente da banda que mais gostávamos, no melhor lugar possível para se ver um show.

Lembrança suficiente para termos assunto sempre que nos reencontrávamos e que o será quando nos reencontrarmos de novo.

É só uma questão de tempo. Todo filme acaba.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s